• 24 de maio de 2021, 12:55
  • Aumentar Fonte
  • Diminuir Fonte
  • Imprimir Contéudo

Plenária permanente chama atenção máxima a PEC 280

 

 

 

 

Reunião na segunda-feira, 24/5, vai organizar mobilização estadual para possível votação da retirada do plebiscito na Assembleia Legislativa no dia seguinte

Os Banrisulenses já sabem que o banco público dos gaúchos está na mira do governador Eduardo Leite e de sua base governista na assembleia Legislativa. Também está familiarizado com o fato de que a liberação do atendimento nas agências bancárias com o novo sistema de controle do governo é uma estratégia para tirar o foco da nossa luta em defesa do Banrisul público.

Pois agora é preciso botar o bloco na rua e mostrar para o governador e deputados que não se entrega o Banrisul a troco de banana. Nesta segunda-feira, às 18h30, os Banrisulenses de todo o Estado estão convidados a participar da plenária permanente em defesa do Banrisul público e contra a Pec 280/2019.

A reunião será à noite e numa data decisiva para o futuro do Banrisul público. Isso porque, na terça-feira, 25/5, o dia seguinte à nossa plenária, a PEC 280/2019, deve ir a plenário na Assembleia Legislativa e cumprir o rito do segundo turno de votações. Para aprovar a PEC 280/2019, o governo precisa de três quintos dos votos dos 55 deputados, um total de 33 votos.

Clique aqui e participe da plenária virtual permanente em defesa do Banrisul público e contra a PEC 280

E mais: os governistas têm muita pressa. Na mesma terça-feira, 25/5, pela manhã eles querem fazer o pedido de anulação da sessão da vergonha, como ficou conhecida a votação em primeiro turno da PEC 280/2019, tramitar de forma muito rápida na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ).

Então, pela manhã eles sonham em se livrar do pedido de anulação feito pela oposição por causa de dois votos irregulares no primeiro turno em 27/4, e, à tarde, já pensam em votar a PEC 280 e liberar a venda do Banrisul, Procergs e Corsan.

A pressa faz todo o sentido. Primeiro, é um plano nacional que junta o governo Leite com o de Bolsonaro e segue uma metáfora do ministro do meio-ambiente, Ricardo Salles. Eles querem passar a boiada das privatizações durante a pandemia para as pessoas não se darem conta do crime con6tra o patrimônio público que estão cometendo.

Por outro lado, o governador Eduardo Leite precisa resolver logo a questão da PEC porque ele fez uma aposta muito alta. Apostou a vida e a saúde dos gaúchos ao acabar com o já precário sistema de bandeiras do Distanciamento Controlado para o combate à Covid-19 e flexibilizar a mobilidade com o novo sistema.

Os bancários, por exemplo, passam a ter que atender de acordo com a capacidade da agência. O agendamento e a manutenção de 50% dos colegas da agência em trabalho presencial deixaram de valer dia 16/5.

Agora, o atendimento está liberado desde que a agência respeite a presença de um cliente a cada quatro metros quadrados. O problema é que uma agência com 100 metros quadrados e dois andares poderá estar liberada para atender 80 ou mais pessoas, quer dizer, promover aglomerações entre 30 funcionários e 40 ou até 50 clientes no mesmo ambiente e dar chance para o coronavírus ameaçar saúde e vidas.

Leite tem pressa também porque os números da Covid-19 começam a crescer de novo no Estado. E, por certo, ano que vem vai ficar muito ruim para suas pretensões eleitorais se uma terceira onda começa a matar e adoecer muitos gaúchos depois que ele flexibilizou o controle do novo coronavírus para vender Banrisul, Procergs e Corsan.

Taxa de casos por 100 mil habitantes

30 de abril: 8.403 doentes por 100 mil habitantes do RS.

20 de maio: 9.176 doentes por 100 mil habitantes do RS.

Depois da sessão plenária da vergonha (27/4), a taxa de doentes de Covid-19 aumentou 9,2%.

Número de mortos por 100 mil habitantes

30 de abril: 219,31

20 de maio: 237,59

Depois da sessão plenária da vergonha (27/4), a taxa de mortes por Covid-19 por 100 mil habitantes aumentou 8,3%.

Número de casos de Covid-19 confirmados no RS

30 de abril: 974.969

20 de maio: 1.043.927

Depois da sessão plenária da vergonha (27/4), o número de casos de Covid-19 passou de 1 milhão, aumentando 7,1%.

Taxa de mortalidade por 100 mil habitantes

27 de abril: 214,97 mortos por Covid-19 por 100 mil habitantes.

20 de maio: 237,59 mortos por Covid-19 por 100 mil habitantes.

Depois da sessão plenária da vergonha (27/4), a taxa de mortalidade por 100 mil habitantes aumentou 10,5%.

Ocupação de UTIs

Desde a sessão plenária da vergonha, tivemos uma queda no percentual de leitos de UTIs ocupados, quer dizer, hospitalizações por doentes de Covid-19. Em 27 de abril, dia da votação da vergonha, eram 85,1% de leitos de UTIs ocupados no Estado.

Este número caiu até 77,3% no dia da apresentação oficial do Sistema 3As no lugar do Distanciamento Controlado por cores de bandeiras, dia 16 /5. Na quinta-feira, 20/5, a hospitalização voltou a subir, batendo em 78,7%, quer dizer, 1,4 ponto percentual superior ao registrado quatro dias antes.

Novos casos e mortes desde a votação da vergonha

Depois que Leite trocou votos pelo fim do Distanciamento Controlado por cores de bandeiras para retirar o plebiscito da Constituição Estadual e entregar Banrisul, Procergs e Corsan foram registrados 78,9 mil novos casos de Covid-19 no Estado.

Em 24/4, o RS registrava o total de 24.196 mortos por Covid-19. Os dados de 19 de maio, fechados na quinta, 20/5, mostram que chegamos a 27.031 mortos. Quer dizer, desde a votação da vergonha, ao menos, 2,5 mil gaúchos morreram por Covid-19.

Saiba por que a sessão de 27/4 ficou conhecida como a votação da vergonha da PEC 280

> O deputado Dirceu Franciscon (PTB) votou não, contra a PEC 280, mas seu voto foi computado como sim.

> O deputado Neri o Carteiro (Solidariedade) não estava presente na sessão, mas teve seu voto contado como sim.

> O governador Eduardo Leite cedeu à pressão de deputados da base governista, especialmente do partido Novo, e rebaixou a bandeira de preta para vermelha do isolamento, atendendo a pedido de liberação das aulas.

> O governador Eduardo Leite reuniu deputados de sua base e ofereceu um kit asfalto em troca da garantia dos 33 votos necessários para atingir a proporção de três quintos dos deputados para aprovar a PEC 2890/2019.

Fonte: Imprensa SindBancários


Bookmark and Share
Sindicato dos Empregados em Estabelecimentos Bancários de Erechim e Região ::

©2012 Sindicato dos Empregados em Estabelecimentos Bancários de Erechim e Região

Todos os direitos reservados

Avenida Maurício Cardoso, 335, Sala 202
CEP 99700-426 - Erechim - RS
Fonex/Fax: (54) 3321 2788
seeb@bancarioserechim.org.br

Municípios da Base: Erechim, Aratiba, Áurea, Barão do Cotegipe, Barra do Rio Azul, Barracão, Benjamim Constant do Sul, Cacique Doble, Campinas do Sul, Carlos Gomes, Centenário, Cruzaltense, Entre Rios do Sul, Erebango, Erval Grande, Estação, Floriano Peixoto, Gaurama, Getúlio Vargas, Ipiranga do Sul, Itatiba do Sul, Jacutinga, Machadinho, Maximiliano de Almeida, Marcelino Ramos, Mariano Moro, Paim Filho, Paulo Bento, Ponte Preta, Quatro Irmãos, São José do Ouro, São João da Urtiga, São Valentim, Severiano de Almeida, Três Arroios, Viadutos, todos no Estado do Rio Grande do Sul.

 Superativa | Orby