• Aumentar Fonte
  • Diminuir Fonte
  • Imprimir Contudo

Sobrepeso e obesidade



A edidemia de sobrepeso e obesidade

       O aumento da prevalência de obesidade alcança níveis alarmantes. A Organização Mundial de Saúde (OMS) estimou em 250 milhões o número de obesos no mundo, devendo essa cifra chegar a 300 milhões no ano 2050.

       No Brasil, uma pesquisa publicada em 1989 evidenciou que 27 milhões de pessoas representando 33% da população adulta, apresentavam sobrepeso, enquanto 6,8 milhções eram obesos, correspondendo a 8% dos adultos.


Quem tem sobrepeso ou obesidade?

       O parâmetro utilizado para avaliar como está o peso corporal de um indivíduo, é o índice de massa corporal (IMC), sendo recomendado pela OMS e várias outras entidades internacionais.

       O cálculo do IMC é feito pela divisão do peso corporal em kg pelo quadrado da altura em metros.

IMC=
(Peso corporal kg)
Altura²

       A classificação é a seguinte:
 

IMG (kg/m²) Classificação
< 18,5 Peso Baixo
18,5 a 24,9 Peso Normal
25,0 a 29,9 SOBREPESO
30,0 a 34,9 OBESIDADE GRAU I
35,0 a 39,9 OBESIDADE GRAU II
>=40 OBESIDADE GRAU III



Quais os riscos?

       O excesso de peso corporal está associado ao risco de uma série de problemas:

 
• Hipertensão arterial (pressão alta);
• diabetes;
• dislipidemias (aumento dos triglicerídeos, diminuição do HDL, conhecido como o "bom colesterol");
• doenças cardiovasculares ateroscleróticas (infarto agudo do miocárdio, acidente vascular cerebral);
• certos tipos de câncer;
• problemas ortopédicos;
• doenças da vesícula biliar e
• aumento da mortalidade por todas as causas, são algumas das condições mais freqüentes do obeso.



Os dois tipos de obesidade

       Desde a década de 50 sabe-se que quando o excesso de gordura predomina no abdômen, o risco para diabetes e aterosclerose é maior. Esse tipo de obesidade, como era mais freqüentemente observado no sexo masculino, foi chamado inicialmente de obesidade andróide. Na atualidade, também é conhecida por obesidade central, abdominal, visceral, ou "maçã" (para diferenciar do tipo "pêra", mais comum nas mulheres, e no qual o predomínio de gordura é mais nas regiões nas nádegas e nas coxas).


Quem tem obesidade do tipo central?

       Existem vários métodos sofisticados para avaliar com precisão a gordura depositada no abdômem. Na prática, atualmente recomendada por várias entidades internacionais, é a simples medida da circunferência da cintura. Publicações de alta credibilidade têm sugerido que uma medida da circunferência da cintura superior a 102 cm para o homem e 88 cm para a mulher está associada a um risco aumentado para as doenças cardiovasculares.


Associando o IMC e a medida da cintura

       O primeiro passo na avaliação da composição corporal deve ser a medida do IMC. Segue-se a medida da circunferência da cintura.

       As Diretrizes Americanas sobre Obesidade, de 1998, recomendam a utilização dos seguintes valores na avaliação do risco de diabetes do tipo II, hipertensão arterial e doenças cardiovasculares:

Circunferência da cintura

 
IMC Homens
kg/m² Mulheres
<= 102 cm
<= 88 cm
> 102 cm
> 88 cm
       
Peso baixo < 18.5 -------- --------
Normal 18,5 a 24,9 -------- ?
Sobrepeso 25,0 a 29,9 Aumentando Alto
Obesidade (I) 30,0 a 34,9 Alto Muito Alto
Obesidade (II) 35,0 a 39,9 Muito alto Muito Alto
Obesidade extrema (III) >- 40,0 Extemamente alto Extemamente alto

       Riscos para diabetes tipo II, hipertensão arterial e doenças cardiovasculares. O aumento da circunferência abdominal pode ser um marcador de risco aumentando mesmo em pessoas com peso normal. *
* Clinical Guidelines on the identification, Evaluation, and Treatment of Overweight and Obesity in Adults - The evidenc Report - Obesity Research, September 1998.


Associando o IMC e a medida da cintura

       O excesso de peso corporal pode ter várias causas, desde genéticas, secundárias a certas doenças, ao uso de certos medicamentos, ou ligadas ao estilo de vida (alimentação inadequada e/ou sedentarismo).

       A primeira etapa na escolha do tratamento adequado é a consulta ao médico para identificar a real causa. Seja qual for, uma alimentação saudável com restrição calórica associada a um programa de exercícios físicos estarão sempre incluídos no tratamento.

       A utilização de medicamentos ou indicação cirúrgica para os casos mais graves, sempre ficará a critério médico.


 

Maria Estela Monserrat Ramos
Nutricionista - CRN 3037
Sindicato dos Empregados em Estabelecimentos Bancários de Erechim e Região ::

©2012 Sindicato dos Empregados em Estabelecimentos Bancrios de Erechim e Região

Todos os direitos reservados

Avenida Maurício Cardoso, 335, Sala 202
CEP 99700-426 - Erechim - RS
Fonex/Fax: (54) 3321 2788
seeb@bancarioserechim.org.br

Municípios da Base: Erechim, Aratiba, Áurea, Barão do Cotegipe, Barra do Rio Azul, Barracão, Benjamim Constant do Sul, Cacique Doble, Campinas do Sul, Carlos Gomes, Centenário, Cruzaltense, Entre Rios do Sul, Erebango, Erval Grande, Estação, Floriano Peixoto, Gaurama, Getúlio Vargas, Ipiranga do Sul, Itatiba do Sul, Jacutinga, Machadinho, Maximiliano de Almeida, Marcelino Ramos, Mariano Moro, Paim Filho, Paulo Bento, Ponte Preta, Quatro Irmãos, São José do Ouro, São João da Urtiga, São Valentim, Severiano de Almeida, Três Arroios, Viadutos, todos no Estado do Rio Grande do Sul.

 Superativa | Orby