• 04 de abril de 2019, 14:13
  • Aumentar Fonte
  • Diminuir Fonte
  • Imprimir Contéudo

Presidente do Santander fala em abrir banco em finais de semana


Sérgio Rial, presidente do Santander Brasil, parece não estar nem ai para os trabalhadores e mais uma vez desafia as leis brasileiras. Depois de empurrar os clientes para o autoatendimento, ele tenta retirar as portas giratórias, aparelhos de segurança necessários por lei em vários municípios do Brasil. Não contente, ele quer que o bancário trabalhe nos finais de semana, ferindo a Lei 7.430 da CLT, além de tentar golpear uma conquista histórica da categoria.

Rial gravou um vídeo onde exalta sua família de origem espanhola e diz que o Compromisso do Banco deve ser com a Educação Financeira do cliente, como se o bancário, agora, fosse um professor de final de semana. O que todos sabemos é que isto nada mais é do que enrolação para explorar ainda mais funcionários e clientes. E que também é incompatível com a antiga frase da responsabilidade social e o convívio com a família, utilizada para não pagar horas extras.

O movimento sindical alerta que isso é ilegal e não vamos permitir que os trabalhadores bancários trabalhem aos sábados. A Lei 7.430 da CLT (Consolidação das Leis do Trabalho) é específica, conforme o artigo 224, a duração normal dos empregados em bancos, casas bancárias e Caixa Econômica Federal será de 6 (seis) horas continuas nos dias úteis, com exceção dos sábados, perfazendo um total de 30 horas de trabalho por semana. (Redação dada pela Lei nº7.430, 17/12/85, DOU 18/12/85) – CLT.

Portanto é ilegal as agências da Santander abrirem aos sábados e domingos para atender o público ou não. Isto fere a Lei e é uma exploração do Santander em sua ofensiva para retirar direitos dos trabalhadores e engordar o capital dos banqueiros.

Este golpe para afrouxar as leis trabalhistas é bem conhecida dos comerciários, por exemplo. Esta categoria em décadas passadas trabalhava de 2ª a 6ª feira, das 8h às 18h, com duas horas de almoço e aos sábados, das 8h às 12h. Atualmente, devido a exploração dos patrões e a entrega de direitos, os comerciários trabalham de 2ª a domingo, inclusive aos feriados, por 8, 9, 10 ou mais horas. Existem casos de trabalhadores em supermercados ou casas comerciais que ficam por até 3 meses sem nenhum tipo de folga.

O Santander transformou-se no líder em insegurança e desconforto para funcionários e clientes. Depois de empurrar para o autoatendimento clientes que costumam pagar suas contas na boca do caixa, agora quer retirar as portas giratórias de todas as unidades e abrir aos finais de semana. A alteração do projeto das agências vai expor funcionários e clientes a riscos de violência, que podem ser mortais! (Fonte: Seeb Dourados - Gustavo Mesquita)

 


Bookmark and Share
Sindicato dos Empregados em Estabelecimentos Bancários de Erechim e Região ::

©2012 Sindicato dos Empregados em Estabelecimentos Bancários de Erechim e Região

Todos os direitos reservados

Avenida Maurício Cardoso, 335, Sala 202
CEP 99700-426 - Erechim - RS
Fonex/Fax: (54) 3321 2788
seeb@bancarioserechim.org.br

Municípios da Base: Erechim, Aratiba, Áurea, Barão do Cotegipe, Barra do Rio Azul, Barracão, Benjamim Constant do Sul, Cacique Doble, Campinas do Sul, Carlos Gomes, Centenário, Cruzaltense, Entre Rios do Sul, Erebango, Erval Grande, Estação, Floriano Peixoto, Gaurama, Getúlio Vargas, Ipiranga do Sul, Itatiba do Sul, Jacutinga, Machadinho, Maximiliano de Almeida, Marcelino Ramos, Mariano Moro, Paim Filho, Paulo Bento, Ponte Preta, Quatro Irmãos, São José do Ouro, São João da Urtiga, São Valentim, Severiano de Almeida, Três Arroios, Viadutos, todos no Estado do Rio Grande do Sul.

 Superativa | Orby