• 11 de fevereiro de 2019, 10:10
  • Aumentar Fonte
  • Diminuir Fonte
  • Imprimir Contéudo

PARLAMENTARES VÃO APRESENTAR CONTRAPROPOSTA À REFORMA DA PREVIDÊNCIA

Reuinão de lançamento da Frente Parlamentar Mista em Defesa da Previdência Social - Foto: LUIS MACEDO Câmara dos Deputados

Objetivo é impedir que a proposta do governo seja aprovada no Congresso. Articulações começaram neste mês (Jéssica Sant’Ana)
  
Antes mesmo de o governo encaminhar a proposta de reforma da Previdência à Câmara dos Deputados, um grupo de parlamentares já se organiza para apresentar uma contraproposta. Deputados e senadores relançaram na quarta-feira (6) a Frente Parlamentar Mista em Defesa da Previdência Social. Ela tem como objetivo impedir que o texto enviado pelo governo seja aprovado no Congresso e quer propor um projeto alternativo.

Por enquanto, participam do movimento o senador Paulo Paim (PT-RS), que presidiu uma CPI sobre a Previdência no Senado, e os deputados Bohn Gass (PT-RS), Erika Kokay (PT-DF), Heitor Schuch (PSB-RS), Rodrigo Coelho (PSB-SC) e Zé Neto (PT-BA). O grupo conta com o apoio de 102 entidades, a grande maioria sindicatos e associações ligadas a servidores públicos e pensionistas de todo o Brasil. Uma das mais atuantes é a Associação Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal (Anfip).  

O que querem os parlamentares contra a reforma do governo
O objetivo é angariar o apoio de mais parlamentares para apresentar um contraproposta de reforma da Previdência. Eles querem barrar o texto a ser enviado pelo governo, pois discordam de pontos como idade mínima, idade mínima igual para homens e mulheres, criação do regime de capitalização e renda mínima inferior a um salário mínimos para pessoas em condição de pobreza que nunca ou pouco contribuíram para a Previdência.  

“A nossa ideia é fazer uma reforma da Previdência, mas que seja uma reforma ampla, geral e irrestrita. Que atinja todas as categorias, o Executivo, o Legislativo, o Judiciário e, inclusive, as carreiras militares. Para que o ônus da reforma não fique somente uma categoria, de quem paga o INSS [iniciativa privada], que recebe em média R$ 1,4 mil por mês de aposentadoria. Que seja feita uma reforma que atinja o Executivo, o Legislativo, o Judiciário e as carreiras militares”, afirmou o deputado Rodrigo Coelho (PSB-SC) à Gazeta do Povo.  

Ele completa que alguns pontos da minuta vazada da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) em estudo pelo governo são muito preocupantes. “Idade mínima de 65 anos para homens e mulheres é uma medida muito dura. Vai atingir fortemente pessoas com 50, 55 anos que perdem o seu emprego. Essa pessoa vai ter que esperar até os 65 anos de idade para se aposentar. Essa pessoa vai ficar dez anos recorrendo à Bolsa Família ou a outro benefício assistencialista, o que só vai aumentar os gastos do governo. Defendemos um benefício proporcional ao tempo de contribuição”, diz Coelho.  

O senador Paulo Paim (PT-RS), que há anos coordena a atuação da Frente, mas que nesta legislatura vai passar o cargo a um colega, afirma que o maior problema da Previdência é de gestão e que o grupo deve apresentar uma contraproposta atacando esse problema.  

“O problema da Previdência é de gestão, fiscalização, de combate à sonegação, de executar os grande devedores, de combater a apropriação indevida daquele dinheiro que você tira do trabalhador e não repassa para os cofres da Previdência. E, além disso, apontar para a aprovação de uma PEC que eu tenho aqui, de número 15, que diz que o dinheiro da Previdência não pode em hipótese alguma ser destinado para outros fins”, afirmou Paim à Gazeta do Povo.

Ele afirmou que a Frente deve conseguir o apoio de mais de 100 parlamentares. O grupo deve se reunir toda quarta-feira na Câmara dos Deputados e, em 20 de março, fazer um grande lançamento dos trabalhos. Na legislatura passada, o movimento teve adesão de quase 200 parlamentares, mas muitos não foram reeleitos para este novo mandato.

Frente também era contra a reforma do governo Temer
A Frente já existe há 32 anos e, a cada legislatura, é relançada. Na gestão passada, ela atuou fortemente contra a PEC 287, a proposta de reforma da Previdência encaminhada pelo governo Temer. O texto propunha, entre outras coisas, idade mínima de 62 anos para homens e de 57 para mulheres e uma regra de transição que iria até 2036 (homens) e 2038 (mulheres). Isso para a iniciativa privada. No regime público, as idades mínimas eram as mesmas, mas a regra de transição ia até 2028 (homens) e 2032 (mulheres).  

Já a minuta da PEC do governo Bolsonaro vazada à imprensa é ainda mais dura. Ela propõe, entre outras coisas, idade mínima de 65 anos para homens e mulheres e regra de transição de nove anos para homens e 19 anos para mulheres. Servidores públicos deverão, ainda, cumprir uma idade mínima de 57 (mulheres) e 62 anos (homens) a partir de 2022 para ter direito a aposentadoria durante a transição.  

O texto, porém, deve sofrer alterações até o envio ao Congresso. A expectativa é que ele seja encaminhado até a terceira semana de fevereiro. O ministro da Economia, Paulo Guedes, projeta uma economia de R$ 1 trilhão com a reforma, em um tempo de 10 ou 15 anos.

Rombo da Previdência chega a R$ 290,3 bilhões
Em 2018, o rombo total na Previdência (setor privado, servidores públicos da União e militares) bateu novo recorde: R$ 290,3 bilhões. Isso significa que o que foi arrecadado foi insuficiente e o governo teve de bancar R$ 290,3 bilhões para pagar as aposentadorias atuais.

O déficit no sistema, que acaba sendo custeado pelo Tesouro todo ano para impedir que as aposentadorias deixem de ser pagas, é a principal causa dos sucessivos rombos nas contas públicas. Desde 2014, o governo federal fecha as contas no vermelho ou, no termo técnico, com déficit primário (despesas maiores que as receitas, isso sem contar os juros na dívida) . No ano passado, ele teve um rombo de R$ 120 bilhões. A reforma da Previdência é apontada como essencial justamente para corrigir esses rombos. (Fonte: Gazeta do Povo)

 

 


Bookmark and Share
Sindicato dos Empregados em Estabelecimentos Bancários de Erechim e Região ::

©2012 Sindicato dos Empregados em Estabelecimentos Bancários de Erechim e Região

Todos os direitos reservados

Avenida Maurício Cardoso, 335, Sala 202
CEP 99700-426 - Erechim - RS
Fonex/Fax: (54) 3321 2788
seeb@bancarioserechim.org.br

Municípios da Base: Erechim, Aratiba, Áurea, Barão do Cotegipe, Barra do Rio Azul, Barracão, Benjamim Constant do Sul, Cacique Doble, Campinas do Sul, Carlos Gomes, Centenário, Cruzaltense, Entre Rios do Sul, Erebango, Erval Grande, Estação, Floriano Peixoto, Gaurama, Getúlio Vargas, Ipiranga do Sul, Itatiba do Sul, Jacutinga, Machadinho, Maximiliano de Almeida, Marcelino Ramos, Mariano Moro, Paim Filho, Paulo Bento, Ponte Preta, Quatro Irmãos, São José do Ouro, São João da Urtiga, São Valentim, Severiano de Almeida, Três Arroios, Viadutos, todos no Estado do Rio Grande do Sul.

 Superativa | Orby