• 11 de agosto de 2017, 09:18
  • Aumentar Fonte
  • Diminuir Fonte
  • Imprimir Contéudo

O que o dano extrapatrimonial tem a ver com você?

Mais um dos vários ataques a direitos da legislação trabalhista de Temer, prevê pagamento de indenização por parte do empregado que ofender a empresa (Danilo Motta)

O trabalhador pode ser condenado a pagar até 50 vezes o valor do próprio salário se ofender a empresa onde trabalha. Achou loucura? Basta dar uma olhada Lei 13.467/17 – a da chamada “reforma” trabalhista. Os artigos 223-A a 223-G tratam da questão do Dano Extrapatrimonial. Segundo o texto, uma atitude que venha a ofender a imagem, marca ou nome da empresa, por exemplo, são passíveis de reparação pelos responsáveis.

“Esse dispositivo pode se tornar uma ferramenta muito perigosa contra o movimento sindical”, avalia João Fukunaga, diretor Jurídico do Sindicato de SP. “Se o Sindicato prepara um material crítico a uma determinada postura do banco, por exemplo, a empresa pode entender que houve dano à marca e, ganhando na Justiça, obrigar o pagamento de altas indenizações.

Isso pode servir para intimidar as entidades na sua atuação em defesa dos direitos dos trabalhadores”, completou.

O parágrafo 1º do artigo 223-G determina que, se o juiz julgar procedente, deverá fixar indenização. Os valores são divididos em quatro alíquotas, sendo a mais branda de até três vezes o último salário contratual do trabalhador acusado.

A mais severa, para “ofensa de natureza gravíssima”, estipula um teto de até 50 vezes o valor do último salário do funcionário acusado de ofender a empresa.

“Essa legislação atinge não só os sindicatos, mas também os trabalhadores individualmente. Se uma atitude de um funcionário for considerada ofensiva, ele também pode ser condenado a indenizar a empresa”, explica Fukunaga, ressaltando que a tal "reforma", na verdade é um desmonte dos direitos trabalhistas e tem várias inconstitucionalidades.

"Essa lei fere de morte conquistas históricas e direitos dos trabalhadores, como o de livre manifestação na luta desigual entre patrões e empregados", critica. "O movimento sindical está atento para reagir a todos esses desmandos." (Fonte: Seeb SP)


Bookmark and Share
Sindicato dos Empregados em Estabelecimentos Bancários de Erechim e Região ::

©2012 Sindicato dos Empregados em Estabelecimentos Bancários de Erechim e Região

Todos os direitos reservados

Avenida Maurício Cardoso, 335, Sala 202
CEP 99700-426 - Erechim - RS
Fonex/Fax: (54) 3321 2788
seeb@bancarioserechim.org.br

Municípios da Base: Erechim, Aratiba, Áurea, Barão do Cotegipe, Barra do Rio Azul, Barracão, Benjamim Constant do Sul, Cacique Doble, Campinas do Sul, Carlos Gomes, Centenário, Cruzaltense, Entre Rios do Sul, Erebango, Erval Grande, Estação, Floriano Peixoto, Gaurama, Getúlio Vargas, Ipiranga do Sul, Itatiba do Sul, Jacutinga, Machadinho, Maximiliano de Almeida, Marcelino Ramos, Mariano Moro, Paim Filho, Paulo Bento, Ponte Preta, Quatro Irmãos, São José do Ouro, São João da Urtiga, São Valentim, Severiano de Almeida, Três Arroios, Viadutos, todos no Estado do Rio Grande do Sul.

 Superativa | Orby