• 23 de agosto de 2019, 09:36
  • Aumentar Fonte
  • Diminuir Fonte
  • Imprimir Contéudo

Governo vai entregar 20,8 milhões de ações do Banco do Brasil

 

Arte: Freepik

Em nota, Débora Fonseca, Conselheira de Administração Representante dos Funcionários (Caref) do Banco do Brasil, avalia que a medida irá aumentar a influência de acionistas nas decisões do banco, enfraquecendo a função pública do banco

O ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, detalhou na noite de quarta-feira 21 o Programa de Parcerias de Investimentos, que inclui projetos em andamento e iniciativas para a entrega de empresas públicas ao capital privado.

Dentre eles está a venda de participação da União no Banco do Brasil que excedam o controle acionário. A intenção é vender até 20,7 milhões de papéis do banco. A medida foi divulgada em fato relevante pelo Banco do Brasil também na quarta-feira.  

Em nota, Débora Fonseca, a Conselheira de Administração Representante dos Funcionários (Caref) do Banco do Brasil, afirma que a medida irá aumentar a influência de acionistas privados nas decisões estratégicas do banco, enfraquecendo sua função pública.

Débora ressalta que, em 2015, o governo federal detinha 57,7% das ações do Banco do Brasil. Antes desse anúncio esse percentual era de 50,7% e, com a medida, o percentual cairá ainda mais.

“As ameaças aos bancos públicos tem se acirrado no novo governo. O desmonte dos bancos públicos é um problema que não afeta somente os trabalhadores, porque tem impacto no crédito no país e prejudica o financiamento do agronegócio, habitação, obras de infraestrutura, projetos de geração de renda e políticas sociais”, afirma Débora.

Leia abaixo a nota completa

Governo aumenta influência de acionistas privados no BB

O Banco do Brasil anunciou nesta quinta-feira (22) que a União pretende vender suas ações excedentes ao controle da instituição. A Resolução 61 do conselho do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI) recomenda a inclusão da participação acionária excedente, detida pela União, no capital social do Banco do Brasil, no âmbito do Programa Nacional de Desestatização.

Em 2015 o governo federal detinha 57,7% das ações do Banco do Brasil, antes desse anúncio esse percentual era de 50,7%. Com a publicação, esse percentual cairá ainda mais.
A medida dificulta a atuação do BB enquanto banco público, aumentando a influência de acionistas privados nas decisões estratégicas do banco.

É uma decisão que visa a redução do papel do Estado sem justificativa ou análise e desconsidera o papel fundamental que o BB sempre exerceu no desenvolvimento econômico e social do país.

As ameaças aos bancos públicos tem se acirrado no novo governo. O desmonte dos bancos públicos é um problema que não afeta somente os trabalhadores, porque tem impacto no crédito no país e prejudica o financiamento do agronegócio, habitação, obras de infraestrutura, projetos de geração de renda e políticas sociais.
 (Fonte: Seeb SP)

 

 


Bookmark and Share
Sindicato dos Empregados em Estabelecimentos Bancários de Erechim e Região ::

©2012 Sindicato dos Empregados em Estabelecimentos Bancários de Erechim e Região

Todos os direitos reservados

Avenida Maurício Cardoso, 335, Sala 202
CEP 99700-426 - Erechim - RS
Fonex/Fax: (54) 3321 2788
seeb@bancarioserechim.org.br

Municípios da Base: Erechim, Aratiba, Áurea, Barão do Cotegipe, Barra do Rio Azul, Barracão, Benjamim Constant do Sul, Cacique Doble, Campinas do Sul, Carlos Gomes, Centenário, Cruzaltense, Entre Rios do Sul, Erebango, Erval Grande, Estação, Floriano Peixoto, Gaurama, Getúlio Vargas, Ipiranga do Sul, Itatiba do Sul, Jacutinga, Machadinho, Maximiliano de Almeida, Marcelino Ramos, Mariano Moro, Paim Filho, Paulo Bento, Ponte Preta, Quatro Irmãos, São José do Ouro, São João da Urtiga, São Valentim, Severiano de Almeida, Três Arroios, Viadutos, todos no Estado do Rio Grande do Sul.

 Superativa | Orby